Professor da Unesp elabora material com perguntas e respostas de maiores ameaças praianas
ACI Unesp
13/12/2018

Vem chegando o verão. E junto com ele o aumento no número de acidentes de banhistas com animais aquáticos nas praias brasileiras. Médico especialista em Dermatologia e com mais de 20 anos de experiência em acidentes com estes animais, o professor Vidal Haddad Junior elaborou uma cartilha com as perguntas mais freqüentes e orientações sobre o que fazer nessas ocorrências.

“Existem estudos e medidas de primeiros socorros e hospitalares para todos os problemas. Alguns têm formas de prevenção, outros não. O importante é que a mídia ofereça conhecimento sobre estes fatos para que o cidadão procure a orientação correta, não requisitando opiniões de pessoas inexperientes e que ao invés de trazerem soluções, podem trazer problemas”, aponta o professor da Faculdade de Medicina da Unesp de Botucatu.

Hadadd Junior lembra que como em todo ano, o verão de 2019 transcorrerá com surtos de acidentes por águas-vivas na região Sul, agravos por caravelas no Nordeste, acidentes por piranhas nas represas e lagos de todo país e pessoas pisarão em bagres e ouriços-do-mar nas praias.

O docente de Botucatu também se esforça para desmistificar algumas crenças bastante disseminadas como a de que a urina deve ser usada em queimaduras por caravelas-portuguesas ou águas-viva. “Não há base científica para tal. O tratamento de primeiros socorros neste caso usa compressas de água do mar gelada e banhos de vinagre. Eles servem para anestesiar e desativar células venenosas, mas não interferem com as ações do veneno internamente, quando elas acontecem”, aponta.

A seguir, seguem as orientações do professor Vidal Haddad Junior para alguns dos principais animais aquáticos:

ANIMAIS MARINHOS QUE CAUSAM ACIDENTES

Quais os animais marinhos mais perigosos das praias brasileiras?

Um em cada 1000 acidentes ou atendimentos de urgência em cidades litorâneas é causado por animais marinhos. Os animais que podem provocar acidentes nas praias são os ouriços-do-mar, as águas-vivas e caravelas e alguns peixes venenosos como os bagres e, mais raramente, as arraias e os peixes-escorpião. Outros peixes podem causar traumatismos graves, como os tubarões ou moréias, em situações ainda mais raras.

Como identificar se um animal marinho é venenoso?

Não há uma regra definitiva. Qualquer pessoa sabe que deve evitar a proximidade de um tubarão, mas águas-vivas não podem ser vistas e também podem causar graves acidentes. Na prática, não se deve tocar nenhum animal trazido às praias pelas ondas.

Quais os animais marinhos que mais provocam acidentes nas praias?

Em dados da minha tese de doutorado, coletados em Ubatuba, 2% dos atendimentos foram por animais aquáticos (um número alto!). Os animais comumente envolvidos foram os ouriços-do-mar (50% de mais de 2000 casos), as caravelas e águas-vivas (25%) e bagres e arraias (25%). Entre os peixes venenosos, a maioria absoluta é causada por bagres atirados na areia por pescadores de pequenas redes.

01caravela.jpgÁGUAS-VIVAS E CARAVELAS

O que é mais perigoso para um banhista: águas-vivas ou caravelas? Como diferenciá-las?

Apesar de ambas pertencerem a um mesmo grupo de animais (cnidários), as águas-vivas são transparentes e raramente visíveis quando na água, enquanto que as caravelas apresentam uma bolsa púrpura ou avermelhada que flutua cima da linha da água, sendo facilmente visível.

Ë importante saber que cnidários permanecem com capacidade de envenenar até 24 horas fora da água, o que deve ser levado em consideração pela possibilidade de crianças brincarem com cnidários encalhados nas praias.

Em que época do ano caravelas e águas-vivas aparecem mais?

As águas-vivas e caravelas realmente aumentam em quantidade durante o verão, provavelmente devido à época de reprodução dos animais e a chegada de correntes frias de alto-mar em nosso litoral. Isto faz com que os acidentes aumentem neste período e praticamente não ocorram em outros (afinal, nesta época os turistas também aumentam nas praias). Os acidentes por ouriços-do-mar também aumentam nesta época, mas somente pelo aumento dos turistas descuidados nas praias.

Quais as medidas de primeiros socorros para um acidente por água-viva?

O acidente deixa linhas avermelhadas muito dolorosas, correspondentes aos tentáculos dos bichos. A dor é instantânea e violenta. Deve-se retirar os tentáculos ainda aderidos sem usar as mãos nuas e se fazer compressas de água do mar gelada ou aplicar cold-packs (gelo

artificial) sobre um pano para não entrar em contato direto com a pele. A água doce gelada piora o quadro! Banhos com vinagre ajudam a inativar o veneno. Caso haja falta de ar ou batedeiras é importante procurar um hospital.

Como evitar acidentes por águas-vivas?

Nos acidentes por águas-vivas, raramente se vê o animal, que é transparente (a menos que seja uma caravela, que tem um flutuador arroxeado). Quando acidentes deste tipo acontecem, a melhor coisa a se fazer é deixar a água, pois pode acontecer de haver um grande número destes bichos chegando à praia (o mais comum é um animal isolado causando o acidente).

02ourico.jpgOURIÇOS-DO-MAR

Quais as situações que precipitam acidentes por ouriços-do-mar e quais são as medidas de primeiros socorros para um acidentado?

O ouriço-do-mar é recoberto por espinhos. Ele fica em colônias em paredões rochosos ou em pequenas lagoas que se formam nas marés em terrenos pedregosos entre praias. Quando pisados, estes se quebram e penetram profundamente na pele da vítima. O acidentado deve ficar em repouso, evitando pisar sobre a área atingida, o que irá introduzir ainda mais os espinhos. Deve-se procurar atendimento hospitalar para extração dos espinhos, o que pode ser uma tarefa muito difícil, uma vez que estes se quebram na pele. Não há envenenamento com as espécies do Brasil, mas a dor pode ser forte.

PEIXES VENENOSOS E TRAUMATIZANTES

Quais os peixes mais perigosos para os banhistas?

Os peixes que mais provocam acidentes são pequenos bagres atirados nas areias e águas rasas por pescadores amadores e que terem veneno em seus ferrões por mais de 24 horas após sua morte. Deve-se tomar cuidado ainda com arraias, que permanecem enterradas na areia e podem provocar acidentes graves através de ferrões presentes na cauda.

É importante ter em mente que todo acidente por peixe tem a dor aliviada por imersão do local em água quente (mas nunca quente demais). Nos rios, os mandis e bagres têm o mesmo papel dos bagres marinhos e os aspectos clínicos do envenenamento são os mesmos. Os acidentes por arraias podem ser graves e existem muitos peixes traumatizantes, como as piranhas, pintados, dourados, etc. Acidentes por peixes marinhos e fluviais causam dor e necrose (feridas) na pele.

01piranha.jpgPor que em todos os verões surgem notícias de acidentes por piranhas em represas, lagos e braços de rios em todo o país?

Os acidentes por piranhas são mordidas de machos defendendo os ovos postos pelas fêmeas na vegetação destes locais com águas paradas ou de pouca correnteza. Isto acontece invariavelmente todo ano no país, em vários estados. Não são ataques por cardumes e na grande maioria dos surtos, não há aumento do número das piranhas ou mais de uma mordida em cada vítima. São mordidas de advertência para proteção dos ovos! Ataques por cardumes podem acontecer, mas são extremamente raros.

Em que praias aparecem tubarões?

Os acidentes causados por tubarões são raros nas costa brasileira e no mundo todo. Na região metropolitana de Recife, no entanto, vem ocorrendo dezenas de acidentes nos últimos anos, provavelmente pela mudança do ecossistema local e do ambiente dos tubarões no local, que vem se aproximando das praias e vitimando surfistas. Em outros locais do Brasil é muito pouco provável acontecer um acidente.

Quais os perigos a que estão expostos os mergulhadores? E os pescadores amadores?

Os mergulhadores estão sujeitos a acidentes com mais espécies de animais perigosos que os banhistas. Por exemplo: o peixe mais venenoso da costa brasileira é o peixe-escorpião, que fica camuflado nos fundos rochosos. Um acidente provoca dor intensa por mais de 24 horas. As arraias também podem causar acidentes, assim como moréias, barracudas e outros peixes grandes. A regra é olhar, mas não tocar, uma vez que quase todo animal marinho possui alguma forma de defesa. Pescadores amadores se acidentam ao retirar peixes venenosos dos anzóis, como bagres ou peixes-escorpião.

Quais os cuidados que um banhista deve ter ao nadar nos rios e lagos?

Não há necessidade de cuidados especiais em relação aos animais fluviais. Os acidentes ocorrem principalmente em pescadores, por ferroadas de mandis, mordidas de piranhas, dourados, etc. Nos rios da Amazônia, no entanto, existe um pequeno bagre parasita que pode penetrar na uretra humana (o candiru) e só pode ser extraído através de cirurgia, razão pela qual quem nada nos rios evita urinar na água e usa proteção para impedir a entrada do peixinho. Outro perigo são as arraias de água doce, que ferroam pessoas que as pisam em águas rasas.

Os frutos do mar provocam alergia? Qual a gravidade?

Os crustáceos (siris, caranguejos, lagostas, camarões) apresentam pigmentos que podem provocar alergia em humanos com certa freqüência. Esta se manifesta por placas avermelhadas e muito pruriginosas (urticária), com ocasionais problemas respiratórios por inchaço na garganta e podem até causar a morte, de forma semelhante ao que acontece nas picadas de abelhas. Qualquer pessoa que apresente este tipo de alergia deve ser levada ao Pronto-Socorro mais próximo.

CONTATO
Vidal Haddad Junior
Professor Livre-Docente da Faculdade de Medicina de Botucatu – UNESP
Centro de Estudos de Acidentes por Animais Aquáticos
Telefones: 55 14 3880 1259/3880 1272/3880 1263
E-mail: haddadjr@fmb.unesp.br

 

Please follow and like us: